Belo Horizonte concorrerá com São Paulo por título de Cidade Criativa da Gastronomia pela Unesco


Belo Horizonte receberá consultoria do Ministério da Cultura (MinC) para se candidatar ao título de Cidade Criativa da Gastronomia pela Unesco. De acordo com a Belotur, outras 14 cidades brasileiras foram selecionadas pelo órgão para receberem apoio e concorrerem em áreas culturais diversas.

A capital mineira disputará com a cidade de São Paulo na área da gastronomia. Outros dois municípios mineiros estão na disputa: Diamantina, no Vale do Jequitinhonha, que concorrerá pela música, e Cataguases, na Zona da Mata, pelo setor do cinema.

Criado em 2004, o projeto Rede de Cidades Criativas da Unesco busca ressaltar a criatividade de seus membros dentro de sete áreas temáticas: Artesanato e Artes Folclóricas, Design, Cinema, Gastronomia, Literatura, Artes Midiáticas e Música. Atualmente, 180 cidades em 72 países detém títulos.

Apoio ministerial

Em Belo Horizonte, a candidatura ao reconhecimento foi lançada oficialmente na semana passada. A previsão, segundo a Belotur, é que o resultado saia em outubro de 2019. A cidade terá como embaixador o chef belo-horizontino Léo Paixão.

Para se preparar, o município concorreu com 23 cidades por uma das 15 vagas em assessoria oferecida pelo MinC. Segundo a prefeitura, além de auxiliar na elaboração da candidatura, o edital visa estimular a elaboração de planos de desenvolvimento que impulsionem a economia criativa nos municípios brasileiros. Além disso, a capacitação busca contribuir com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) previstos na Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU).

Para integrar a rede, a cidade deve preparar um dossiê, que passará por processo de seleção realizado pela Comissão de Avaliação da Unesco. A candidatura deve demonstrar, de forma clara e prática, a disposição, o compromisso e a capacidade da localidade em contribuir com os compromissos da Rede.

De acordo com o presidente da Belotur, Aluizer Malab, a iniciativa busca colocar a gastronomia da cidade como fator de competitividade entre os destinos turísticos nacionais e internacionais.

“É importante ressaltar que Belo Horizonte já está ganhando com todo o processo da candidatura, com troca de informações, integração da cadeia produtiva e profissionalização de todo o setor gastronômico da cidade. A candidatura reforça o projeto de cidade que estamos construindo, mais sustentável e que valoriza o que é produzido aqui. Por isso, vamos montar esse dossiê de candidatura e apresentar tudo o que temos, desde a infinidade de festivais, até a força do nosso café, da cachaça, da cerveja, dos restaurantes”, afirmou Malab.

Dados

– Belo Horizonte ficou em 5º lugar, com 79,25 pontos;

– São Paulo, sua concorrente direta, posicionou-se dois lugares abaixo, com 70.08;

– Duas cidades mineiras ficam nos dois primeiros lugares: Diamantina, com 86.08 pontos, e Cataguases, com 81.25;

– Atualmente, 180 municípios em 72 países têm o título de Cidade Criativa pela Unesco;

– No Brasil, oito cidades já fazem parte da Rede. São elas: Belém (PA), Florianópolis (SC) e Paraty (RJ), no campo da gastronomia; Brasília (DF) e Curitiba (PR), no do design; João Pessoa (PB), em artesanato e artes folclóricas; Salvador (BA), na música; e Santos (SP), no cinema.

 

Fonte: Hoje em Dia, por Anderson Rocha

Categorias: Cadeia produtiva Cidade Criativa Creative Cities Economia Criativa Gastronomia Políticas Públicas Unesco